Redação

A Delegacia de Polícia de São Lourenço do Sul cumpriu na manhã de hoje, 06/06/24, um mandado de prisão decorrente de condenação por tráfico de drogas. O recolhido possui 38 anos de idade. A prisão ocorreu no Bairro Centro. Denúncias podem ser feitas pelo WhatsApp 53 9844.85901.

 

As enchentes que devastaram o Rio Grande do Sul prejudicaram gravemente o sistema de abastecimento de água da Corsan. Com isso, a cobrança da fatura terá alterações conforme diferentes casos. Clientes da Companhia que vivem em áreas alagadas, por exemplo, terão isenção da cobrança da tarifa social de água por até 6 meses.
Veja abaixo a descrição:

Faturas:

Clientes em áreas não atingidas:
• A leitura ocorrerá com atrasos, porém foi realizada ainda no mês de maio de 2024.

Clientes em áreas atingidas:
• Clientes atingidos com falta de água: você receberá a isenção do serviço básico referente ao mês de maio de 2024 e os dois meses seguintes do seu faturamento (referente ao mês de maio e junho de 2024) não ultrapassarão a média do seu consumo, mesmo que o seu consumo seja maior, devido algumas tratativas de uso da água pós enchente;
• Clientes que tiveram seu imóvel alagado: caso você seja cliente social, você receberá a fatura zerada no período de 6 meses (competência maio a outubro de 2024). Caso você não esteja enquadrado na categoria social, você receberá a fatura zerada pelo período de 2 meses (referente às competências maio e junho de 2024.

Segunda via:

A Fatura Simplificada está disponível nos canais de relacionamento: www.corsan.com.br/cliente, App Corsan e WhatsApp (51 99704-6644). Através desse serviço, é possível gerar o código Pix e código de barras para pagamento das faturas em aberto.
Pagamentos:
• Negociações de débitos: seguimos com os canais de atendimento disponíveis para negociar da forma que melhor atender nossos clientes; é possível realizar parcelamento na loja mais próxima ou nos canais de relacionamento site www.corsan.com.br/cliente, App Corsan, totens de autoatendimento ou 0800 646 6444, assim que o sistema for restabelecido;
• Clientes com débito automático: se você tem o débito automático cadastrado, não se preocupe, pode ser que tenhamos atraso no débito em sua conta, mas o débito será realizado até final do mês e você não será prejudicado com a cobrança de juros e multas;
• Minha conta venceu e não paguei: É possível efetuar o pagamento com a fatura simplificada via Pix ou código de barras, que pode ser acessada nos canais de relacionamento.
• Paguei minha fatura, mas ainda estou vendo-a em aberto no site? Não se preocupe, a baixa da sua fatura ocorrerá até final do mês de maio de 2024 e você não terá prejuízos de juros e multas.
Serviços: religação, informações de vazamento ou instalação do seu medidor, entre em contato com os canais de relacionamento: site www.corsan.com.br/cliente, App Corsan ou 0800 646 6444.

No período de 27 de maio a 2 de junho foram registradas na DP local 48 ocorrências, sendo: lesão corporal 1, fatos, em tese, atípicos 15, acidentes de trânsito com danos materiais 6, perseguição 1, ameaças 3, posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso permitido 2, disparo de arma de fogo 1, tráfico de entorpecentes 2, violência psicológica contra a mulher 1, permitir, confiar ou entregar direção a pessoa sem habilitação 3, fuga de local de acidente 1, furto simples 1, furto em veículo 1, perda de documento 3, furto simples em residência 2, supressão de documento 1, homicídio culposo direção veículo automotor 1, encontro de cadáver 1, vias de fato 1, lesão corporal culposa direção veículo automotor 1. Na última semana foram registradas 56 ocorrências.

VOCÊ SE INSCREVEU NO AUXÍLIO RECONSTRUÇÃO ? ATENÇÃO PARA INFORMAÇÕES IMPORTANTES

HABILITADO –
Se o CPF aparece como habilitado, é hora de confirmar os dados. O responsável deve conferir se todos os dados estão corretos e caso tudo esteja certo, deve clicar em “Está tudo certo”. Feito isso, deve ler o Termo de Declaração e clicar em “Li e concordo com os termos”. Depois disso, é só aguardar o pagamento pela Caixa Econômica Federal.
CORREÇÃO -
Caso algum dado errado seja identificado, o responsável deve clicar em “As informações não estão certas” e, depois, clicar em “Ciente, cancelar”. O passo seguinte será procurar a prefeitura e informar os dados corretos, com o CPF de cada integrante da família e o endereço de residência. A prefeitura realizará um novo cadastro. Será preciso aguardar até que a nova solicitação seja analisada.
Atenção ! CPF cadastrado em mais de uma residência terá ambos os pedidos negados pelo Governo Federal 
Caso tenha outras dúvidas entre em contato através do WhatsApp da Secretaria Especial de Gabinete 53 32519524 com o atendimento de segunda a sexta das 08 às 14hs.

 

Na próxima quarta-feira (5), será realizada pela Tecnolixo a próxima coleta de resíduos eletrônicos, na Praça Dedé Serpa, das 9h ás 16h. A coleta de resíduos eletrônicos faz parte da programação da Semana Municipal do Meio Ambiente, que acontece de 03 a 06 de junho.

Confira a programação:

Dia 03 e 04 de junho 

-Abertura da programação 
-Educação ambiental nas escolas municipais e estaduais em parceria com a FURG: 
-Apresentação e roda de conversa sobre aquecimento global e a emergência climática atual.
-Atividades práticas tais como plantio de sementes crioulas; plantio de mudas nativas; resíduos e coleta seletiva; abelhas sem ferrão; qualidade das águas e vídeos educativos também serão ofertados  nas escolas. 
-O horto municipal estará recebendo os alunos para as oficinas de produção de mudas e compostagem. 

Dia 05 - Na praça Dedé Serpa das 9h30 ás 15h30.

-Semana do meio ambiente: Emergência climática 
-O evento contará com bancas para exposição e diálogos de entidades e projetos voltados as temáticas ambientais. 
-Troca de mudas  nativas por resíduos eletrônicos e recicláveis. 
-Feira de doação de animais.

(Em caso de mau tempo, a programação deste dia passará para o dia 06/06.

Dia 06 

A Prefeitura municipal de São Lourenço do Sul participará do 1 Encontro Estadual das Comissões Municipais de Mudanças Climáticas do RS, que acontecerá de forma on-line. 

Contamos com sua presença pra o sucessos do evento! ?

Na manhã desta segunda-feira(3) acontece, no posto da Polícia Rodoviária Estadual campanha Maio Amarelo, prorrogado em virtude das enchentes chuvas que assolaram o Rio Grande do Sul neste último mês.

A PRE e equipe do SAMU distribuem adesivos e orientam  os motoristas sobre os cuidados no trânsito. A campanha deve se estender durante todo mês realizando a conscientização da população e dos motoristas nas estradas do país .

A campanha visa  a diminuição do número de acidentes e este tema não é apenas um slogan é, primordialmente, um manifesto por mudanças profundas em nossa maneira de perceber o trânsito e de como nele nos comportamos.

A missão do Movimento Maio Amarelo, especialmente em 2024, é clara: difundir a mensagem de que o comprometimento com a segurança no trânsito é uma causa de todos nós.

Conheça as ações Nacionais e estaduais do Sicredi: 

Sicredi reafirma seu compromisso com apoio e solidariedade às regiões e pessoas afetadas pelas enchentes no Rio Grande do Sul. Nesse sentido, a instituição dobrará cadareal recebido por meio do Pix da Fundação Sicredi. Até o momento, R$ 10 milhões já foram recebidos nessa iniciativa em nível nacional, que teve início no dia 3 de maio, e o Sicredi dobrará este valor. Esses recursos estão sendo destinados às cooperativase utilizados de diferentes formas, considerando a necessidade de cada municípiopor meio da compra de mantimentos e de materiais necessários, focados na reconstrução das regiões atingidas.O Sicredi segue mobilizado e continua com a mesma dinâmica de dobrar os valoresrecebidos via Pix da FundaçãoInteressados em participar podem enviar suas doações, de qualquer valor, para a chave Pix Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., conferindo o nome favorecido como Fundação Sicredi.

Centrais de distribuição de donativos

Desde o início das enchentes que assolaram o RS, o Sicredi também vem cooperando com ações deorganização, com apoio de parceiros, de 16 centros de distribuição de donativos, que já receberam 97 caminhões com cargas de roupas, alimentos, água potável, produtos de higiene, itens para camas, entre outros. Os donativos têm sido destinados a abrigos, escolas, hospitais, Defesa Civil do RS e comunidade em geral.

A instituição também colaborou com a Defesa Civil gaúcha que atua no Centro de Operações de Proteção e Defesa Civil (Codec), no apoio à operacionalização de um assistente automatizado de atendimento ao cidadão, entre outras ações das cooperativas em suas áreas de atuação.Mais ações podem ser conferidas em https://www.sicredi.com.br/site/ajuders/.

Todas as iniciativas do Sicredi de apoio ao povo gaúcho concretizam um dos pilares do cooperativismo que é a solidariedade, unindo esforços para enfrentar cenários desafiadores.Do total de cidades atingidas, em 49, o Sicredi é a única instituição financeira presente fisicamente. mais de 120 anos fomentamos o desenvolvimento local e regional e,com certeza,estaremos juntos na reconstrução do nosso estado”, reforça o presidente da Central Sicredi Sul/Sudeste, Márcio Port.

Conheça as ações locais da Cooperativa Sicredi Interestados: 

Desde o início da crise que se instalou no Estado devido as cheias, a diretoria executiva, o conselho de administração da Cooperativa, as assessorias da Sede Administrativa e os gerentes dos municípios atingidos diretamente e que estão na área de ação da Cooperativa Sicredi Interestados: Pelotas, Rio Grande, São Lourenço do Sul, São José do Norte e Arambarétem trabalhado juntos para mapear as necessidades dos atingidos e criar um plano de ação, conforme a situação vai ocorrendo. 

Segundo o Diretor de Negócios Daniel Peglow, “observamos que a crise já apresenta algumas fases e para as quais precisaremos agir de forma distinta”. A partir disso, inicialmente a Cooperativa agiu junto à Defesa Civil regional buscando atender as necessidades mais urgentes dos abrigos cadastrados nos municípios atingidos. Para isso foram destinados: 1.700 Kits de higiene, 1.700 toalhas de banho e rosto, 1.700 edredons e 1.700 travesseiros. Nesse sentido também de suprir as pessoas dos abrigos com suas necessidades básicas, nossa Central Sicredi Sul/Sudeste enviou 3 carretas para os municípios de Rio Grande, Pelotas e São José do Norte, contendo alimentos, água e materiais de limpeza a serem entregues pelas agências Sicredi dessas cidades aos órgãos oficiais locais e que estão atuando na linha de frente desse atendimento aos abrigos locais. 

Para uma segunda fase, o Conselho de Administração autorizou a utilização de até quatro milhões de reais para aquisição de bens duráveis a serem destinados as famílias comprovadamente de baixa renda pelos órgãos oficiais ou entidades civis públicas ou privadas. Os gerentes dos municípios atingidos irão atuar junto a esses órgãos para identificar e fazer a entrega dos produtos diretamente a essas famíliasquando estiverem em condições de voltar para as suas casas. Com essa ação a diretoria executiva informa que projeta atingir em torno de mil famílias. 

Outro investimento da Cooperativa na fase de reestruturação foi a parceria criada com o IFSul das cidades de Pelotas e Rio Grande. Pela iniciativa, o Sicredi vai arcar com a compra das peças e o IFSul irá oferecer mão de obra gratuita para recuperar os eletrodomésticos afetados pelas águas. 

O Diretor Daniel ainda informa sobre as operações de crédito e os pedidos de prorrogações de operações de crédito dos associados. “No agronegócio, seguiremos todas as portarias e resoluções do governo, inclusive para liquidações de operações. Para todos os nossos segmentos: pessoa física, pessoa jurídica e também o agronegócio estamos criando e estruturando a operacionalização de uma linha de crédito especial e para as prorrogações de crédito consignado orientamos os nossos associados a fazerem a solicitação nas suas agências, através do atendimento presencial. 

Conforme o Diretor Executivo, Edson Carlos Marques, “estamos todos muito empenhados para minimizar os impactos das enchentes aos associados e às comunidades e o nosso maior objetivo é de estar atento ao uso dos recursos para que possamos ajudar pelo tempo necessárioa recuperação de cada segmento de associados e da nossa sociedade.”

 NA MANHÃ do último domingo (19),  na Comunidade Nossa Senhora da Conceição do Boqueirão,  foi realizada a 135ª Festa do Divino Espírito Santo. Às 09:30 h teve início a procissão religiosa e às 10 h a missa festiva presidida pelo Bispo Dom Jacinto Bergmann, acompanhado pelo Padre Marcelo Silva. Foi casal festeiro Daniela e Antônio Alves e, Imperatriz Suzana dos Santos Platt. Às 11:30 h foi servido um almoço com buffet, churrasco e saladas. À tarde contou com atrações diversas e animação da banda Baila Baila. Às 19 h realizou-se o baile com a super Banda 10, de Igrejinha. Andressa das Neves Jeck foi escolhida a Imperatriz da 136ª Festa do Divino Espírito Santo. A Coordenação da Comunidade agradece o povo em geral que prestigiaram a festa. (Fotos Dieisi dos Santos Platt)
No período de 13 a 19 de maio foram registradas na DP local 42 ocorrências, sendo: Acidente de trânsito, veículo oficial com danos 1, outras fraudes 1, fato, em tese, atípico 5, desobediência 1, furto simples em residência 2, perturbação do trabalho ou do sossego alheios 4, perda de documentos 5, ameaças 4, homicídio culposo direção veículo automotor 1, injúria 2, difamação 1, desaparecimento de pessoa 3, falecimento 1, acidente de trânsito com danos materiais 1, arrombamento e furto de residência 1, calúnias 3, apreensão de objeto 1, localização de documento 2, violência psicológica contra mulher 2, localização de pessoa desaparecida 1. 

Zero hora publicou matéria sobre Lagoa dos Patos: como funciona o complexo sistema que faz a bacia do Guaíba desaguar no Oceano Atlântico

Grande volume de chuva é espirrado por uma boca de cerca de 600 metros de extensão nos molhes do Rio Grande, por onde passou quantidade jamais medida de água

A catástrofe climática que abateu o Rio Grande do Sul, com diversos rios estourando cotas de inundação após chuvas torrenciais, estabelece relação direta com a Lagoa dos Patos quanto ao escoamento continental. Os rios da bacia hidrográfica do Guaíba, duramente afetados pela chuva, descem até o Guaíba e, dali, ingressam na Lagoa dos Patos. Cruzam a larga extensão desse corpo d’água em uma viagem estimada entre cinco e dez dias. 

Já no final da Lagoa dos Patos, na porção conhecida como estuário, zona de encontro da água doce com a salgada, todo o dilúvio que caiu sobre parte do Estado adentra uma área de estrangulamento e avança pela estreita boca de cerca de 600 metros dos molhes da barra do Rio Grande. Depois, segue para o Oceano Atlântico. É esse movimento vazante que viabiliza, de forma mais ou menos intensa, a redução do nível da própria lagoa e de bacias que invadiram diversas cidades gaúchas, causando destruição e morte.

Em uma equação complexa, o escoamento da Lagoa dos Patos é afetado diretamente pela direção dos ventos, velocidade de correnteza e volume dos corpos d’água doce e salgado na desembocadura do molhe, em uma queda de braço constante com o mar.

Os rios Jacuí, Antas-Taquari, Sinos, Caí e Gravataí deságuam no Guaíba e têm como destino natural a Lagoa dos Patos antes de ganharem o Atlântico.

O mesmo acontece com o Rio Camaquã e o Canal São Gonçalo - ligação com a Lagoa Mirim -, também contribuintes da Laguna dos Patos. Esses cursos registraram volumes históricos de cheia. O evento é considerado anômalo, fora de qualquer padrão. Especialistas afirmam cientificamente que tanto a laguna quanto o molhe, braços de pedra na desembocadura que acentuam o afunilamento, despejaram quantidades jamais medidas de água no oceano.

Quando a Lagoa dos Patos está em uma situação de cheia, ela despeja a média de 2,4 mil metros cúbicos por segundo no Oceano Atlântico. Já é um volume considerado elevado.

No dia 10 de maio, a reportagem acompanhou a medição feita pelos oceanólogos Augusto Cavalcanti e Julia Galetti, ambos da Universidade Federal do Rio Grande (Furg). O resultado, identificado em outros momentos deste evento catastrófico, foi impactante: a Lagoa dos Patos estava com vazão de 20 mil metros cúbicos por segundo - ou 20 milhões de litros por segundo - na desembocadura do molhe. Isso é oito vezes mais do que os valores tradicionalmente medidos em períodos de cheia, mas sem enchente, do estuário.

— Se a gente considerar que uma caixa d’água tem um metro cúbico, são 20 mil caixas d’água por segundo passando no canal. Em outras enchentes fortes que tivemos, medimos valores de pico na casa de 10 mil metros cúbicos por segundo. E agora temos o dobro dos maiores eventos medidos — diz Cavalcanti.

Outro aspecto que auxilia a vazão é a correnteza. Na atual catástrofe climática, no canal que leva ao molhe, foram detectadas velocidades de 5 a 7 nós, quando o normal é cerca de 2,5 nós. O volume d’água foi tamanho que gerou aceleração.

— Ontem (referência ao dia 8 de maio) estava uma corrente de cinco a seis nós. É algo nunca enfrentado. Acima de cinco nós, temos de interromper (operações no porto) por questão de segurança. E ontem passou — comenta Romildo Bondam, diretor de Operações da Portos RS, gestora do terminal hidroviário de Rio Grande.

A forte influência dos ventos

O sopro dos ventos dos quadrantes sul e norte exerce papel decisivo na Lagoa dos Patos. Dependendo da direção, a água pode ser escoada mais rapidamente para o Oceano Atlântico ou ficar represada.

— O vento sudoeste (do quadrante sul) empilha a água e eleva o nível na costa. A água do mar vai entrar e o vento vai agir sobre a lagoa. Quando isso acontece, o Guaíba vai ser represado e o nível dele pode subir. Esse é o jogo do vento sudoeste — diz Osmar Möller Jr., professor titular aposentado do Instituto de Oceanografia da Furg.

O sopro do sudoeste, portanto, diminui a velocidade de correnteza, reduz o escoamento e tem o condão de represar o Guaíba. No sentido oposto, quem ajuda a despejar mais água no Oceano Atlântico é o vento do quadrante norte. Os especialistas citam a figura de uma gangorra para explicar o efeito eólico na disputa entre a lagoa e o mar. Quem está com volume maior, mais alto na boca do molhe, ganha carga hidráulica e vaza.

— O vento nordeste (do quadrante norte) ajuda a gangorra do lado da lagoa. Ele produz acúmulo de água na saída do estuário e aumenta a descarga para o mar — afirma Glauber Gonçalves, membro do comitê de avaliação e prognóstico de eventos extremos da Furg.

As medições feitas pelos especialistas facilitam a compreensão. Nos dias de vento do quadrante norte, as captações apontaram média de 20 mil metros cúbicos por segundo de vazante para o oceano. Nos momentos em que virou para o sudoeste, uma queda: 12 mil metros cúbicos por segundo. Esse valor é cinco vezes maior do que a vazão tradicional em períodos de alta da lagoa (2,4 mil metros cúbicos por segundo), mas, dado o ineditismo da atual catástrofe climática, torna-se motivo de preocupação.

— Mesmo com o vento vindo do sul, a vazão continuou muito alta. Bem maior do que o normal. A questão é: está vazando o suficiente para dar conta de toda a água que entra na lagoa? — reflete Cavalcanti.

O professor Elírio Toldo Jr., do Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (CECO-UFRGS), fez medições do Guaíba nos dias 5 e 6 de maio e detectou a vazão de 30 mil metros cúbicos por segundo (30 milhões de litros) rumo à Lagoa dos Patos — isso sem contar as contribuições do Rio Camaquã e do Canal São Gonçalo.

— Levamos um susto e repetimos por horas. Esse volume jamais foi medido — diz Toldo.

Nos dias de vazão mais forte ao mar, cabe lembrar, a Lagoa dos Patos escoou a média de 20 mil metros cúbicos por segundo para o Atlântico.

A oceanóloga Galetti alerta que não se trata de uma conta simples de 30 menos 20, como se dez mil metros cúbicos por segundo representassem um excedente imediato no sistema. Um primeiro aspecto a destacar é que a água que sai do Guaíba tem o tempo de viagem de cinco a dez dias até a desembocadura. Logo, os impactos não são imediatos.

— O Guaíba tem cerca de 500 quilômetros quadrados. A Lagoa dos Patos tem 20 vezes mais, são 10 mil quilômetros quadrados. Quando aumenta a superfície, a altura diminui — destaca Möller Jr, apontando a maior capacidade da lagoa de receber a água do Guaíba, com menores cotas de inundações.

Outra observação é que, no trajeto de descida, uma parte da carga lançada pelo Guaíba é retida por zonas de banhado. Ainda assim, especialistas dizem que uma parcela do déficit de vazão contribui para inundar as costas das cidades e planícies à margem da lagoa.

Dentre os dados captados pelos especialistas da Furg, um deles chama atenção por dimensionar a fúria do evento climático. Em pelo menos um dia de vento do quadrante sul, a coluna d’água ignorou a barreira do mar e alcançou patamares próximos do recorde recentemente estabelecido.

— No dia 11 de maio, o vento sudeste não foi suficiente para frear. Foram 19 mil metros cúbicos por segundo de vazão. Oito vezes acima da média — destacou Gonçalves.

Apesar das descargas recordes, Toldo aponta saturação da Lagoa dos Patos diante da proporção “descomunal” do evento. Ele voltou a aferir a vazão do Guaíba no dia 15 de maio e identificou 23 mil metros cúbicos por segundo. Comparada com a medição anterior, em condição semelhante de cota, houve uma redução de 7 mil metros cúbicos.

— Está entrando mais água no sistema do que saindo. A lagoa está começando a ficar saturada. É o principal fator da redução da vazão do Guaíba, embora os níveis continuem brutais — avalia Toldo.

Ele destaca que, em situações normais e de equilíbrio, o Guaíba vaza a média de 2 mil metros cúbicos por segundo, próximo do valor da Lagoa dos Patos.

— Os dois sistemas, a bacia hídrica do Guaíba e a Lagoa dos Patos, funcionaram dentro das suas naturezas, como acontece há séculos. O que não funcionou e alterou o equilíbrio foi a anomalia climática. A escala do problema é regional. Não é local — alerta Toldo.

Apesar das cheias, molhe funcionou, avaliam especialistas

O debate público durante as enchentes trouxe questionamentos. Um deles é se o molhe da barra do Rio Grande, na saída da Lagoa dos Patos para o mar, teria brecado o fluxo de escoamento e contribuído para a elevação dos níveis de rios. Na avaliação de oceanólogos, ocorreu o contrário. A estrutura de afunilamento, com dois braços de pedra de quatro quilômetros cada, calado entre 16 metros e 20 metros, é o que garante vazão mais célere. Parte dos estudiosos concorda com a figura de linguagem da mangueira de jardim parcialmente vedada na boca por um dedo. Quando uma pessoa faz isso na sua casa, ela consegue espirrar água mais longe e com maior velocidade. Figurativamente, isso é o que acontece na desembocadura do molhe, com a ponderação de que, do outro lado, existem o mar e o vento para influenciar.

— O objetivo do molhe é aumentar a velocidade de vazamento da lagoa. A estrutura hidráulica funcionou. Os molhes cumprem o seu papel. A gente não tinha a convicção de que ele, submetido a um cenário absolutamente anômalo, contribuísse aumentando a vazão ao nível que aumentou — comentou Gonçalves.

Os molhes da barra do Rio Grande foram concluídos em 1915 para aprimorar a navegabilidade do porto. Antes da gigantesca obra, havia deltas formados pelo acúmulo de areia e sedimentos carregados pela água na saída da Lagoa dos Patos.

— (Sem o molhe) Teríamos muitos bancos de areia e até algumas ilhotas ali — diz Gonçalves.

Lauro Barcellos, diretor do Complexo de Museus da Furg, comenta que em 1850, antes do molhe, “a barra chegou a ficar com 2,20 metros de profundidade”.

— Negar a importância dos molhes é quase uma inconsequência. Ele é importante para garantir a navegabilidade e a vazão. O canal entre os molhes é profundo. Quanto mais profundo, menos precisa de largura —avalia Barcellos.

Para o professor Fernando Dornelles, do Instituto de Pesquisas Hidráulicas da UFRGS, a manutenção do Guaíba elevado não está diretamente relacionada ao volume vazante na barra do Rio Grande.

— O Guaíba alto não é tanto pela água que não consegue sair. É pela quantidade que entra. É muita água chegando. É um processo natural. O Guaíba não tem declividade, é bastante plano. Ele começa a encher de um lado e sobe o seu nível. O enchimento de um dos lados é o que faz ele escoar pelo outro (por gravidade) — diz Dornelles.

Relação da lagoa com Rio Grande

Até o término da apuração desta reportagem na Zona Sul, no dia 13 de maio, não se confirmaram previsões pessimistas de que a cidade de Rio Grande, com a descida da água do Guaíba para a Lagoa dos Patos, enfrentaria enchentes tão catastróficas quanto as verificadas na Região Metropolitana e no Vale do Taquari.

O Jornal

Contato

Localização

Social

© 2018 Jornal O Lourenciano
Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.
Política de Privacidade