Júri: acusado de homicídio foi condenado a 13 anos de prisão

Terça, 15 Maio 2018 15:24 Por

 

 

Júri: acusado de homicídio foi condenado a 13 anos de prisão
Brigada Militar conduziu o réu ao Júri, tendo em vista que a Susepe  não possuia viatura
* Na última segunda-feira (dia 14) aconteceu no Fórum local a sessão de julgamento pelo Tribunal do Júri referente ao réu ANDRIGO GLADISANDER BICCA RIBES, acusado de homicídio. O crime de homicídio qualificado aconteceu na data de 09 de julho de 2015 praticado pelo réu Andrigo Gladisander Bicca Ribes, tendo como vítima Antônio Luiz Corrêa. Na defesa atuou o advogado Dr. Cláudio Luiz Amaral. Na acusação, o Promotor de Justiça de Pelotas Dr. José Olavo Bueno dos Passos. Como assistente da acusação, a Dra. Ana Elisa Leal Telesca Mota. O Júri foi presidido pela Juíza de Direito Dra. Aline Zambenedetti Borghetti. O réu foi condenado a 13 anos de prisão em regime inicialmente fechado. Foi salientada à reportagem a excelente atuação da Brigada Militar, haja visto que, tão logo houve a notícia de que a Susepe não teria viatura para a condução do preso para o júri, prontificou-se a conduzir o réu, o que o fez com a maior agilidade possível, proporcionando que a sessão fosse realizada na data aprazada. Através de O LOURENCIANO. a presidente do Júri, Juíza de Direito Dra. ALINE BORGHETTI, manifestou de público o agradecimento especial aos Policiais Alexandre Luz e Ivan Irondo Foster Almeida, bem como à Capitã Pamela Frederico Tavares Saueressig.
Assim noticiou O LOURENCIANO na época
* NA EDIÇÃO do dia 16 de julho de 2015, o jornal O LOURENCIANO publicou a seguinte matéria a respeito do homicídio: “Por volta das 09:30h da última sexta-feira a Polícia Civil foi informada da localização de um cadáver no interior de uma chácara localizada na Boa Vista. Imediatamente o Delegado Edson Ramalho e a Equipe da Seção de Investigações compareceram ao local isolando o local do crime até a chegada dos Peritos Criminais do IGP. Após sete horas de estudos da cena do crime e entrevista com os presentes, quando A.G.B.R., foi confrontado com as contradições de sua versão, ele acabou confessando ter matado a vítima, depois identificada como sendo ANTÔNIO LUIZ CORRÊA, 46 anos de idade, residente na localidade de Serra Velha, próximo ao local do crime. O jovem A.G.B.R., que é morador de Pelotas, relatou ser viciado em crack, que já esteve internado várias vezes para tratamento do vício e estaria hospedado na chácara em Boa Vista a convite de sua madrinha para afastar-se das drogas em Pelotas. A.G.B.R. alegou “legítima defesa da honra” em suas declarações como motivação para matar a vítima, que foi brutalmente agredida e arrastada após a morte por 80m para ocultação do cadáver. O autor não restituiu os valores e pertences pessoais que a vítima possuía no momento do crime, alegando haver enterrado tais bens. A vítima somente foi identificada após a localização da motocicleta que o autor escondera em um mato próximo à cena do crime. Diante esses fatos o Delegado Edson Ramalho trabalha com a hipótese de LATROCÍNIO (matar para roubar a vítima) as investigações serão aprofundadas nos próximos dias até a conclusão do inquérito policial”.

O Jornal

Contato

Localização

Social

© 2018 Jornal O Lourenciano
Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.